DE CANÇÃO EM CANÇÃO (Song To Song, 2017) | Crítica

Terrence Malick é um daqueles diretores que ou se ama ou se odeia. Sua estética apurada, de linguagem rebuscada e muito existencialismo conquista o público com a mesma intensidade que o afasta, e um exemplo dessa relação de amor e ódio é seu novo trabalho DE CANÇÃO EM CANÇÃO, que novamente traz um elenco estelar com Michael Fassbender, Ronney Mara, Ryan Gosling, Natalie Portman e ainda conta com várias outras participações mais do que especiais, que falaremos mais a frente.

A história gira em torno de Cook (Fassbender) um rico, charmoso e famoso produtor musical, que vive um triangulo amoroso com Faye (Mara) e BV (Gosling). Graças ao poder conquistado por Cook, ele mantém todos sob seu controle abusivo conseguindo tudo aquilo que ele deseja.

Se você chegou à esse texto sem conhecer o trabalho de Terrence Malick, já devo alertar-lhe que um filme “Malickiano” não é uma experiência convencional. Não espere aqui uma narrativa com diálogos que contextualize a história, ou mesmo uma estrutura aristotélica de três atos bem definidos. Malick evita diálogos para usar de narrações em voice over, que são vozes narradas sobre a imagem. Isso permite uma melhor abordagem elucubrativa dos personagens que divagam a todo o momento, questionando sua existência. Os textos de Malick são perfeitos para isso, pois são palavras carregadas de sentimentos e conflitos que acompanham todos os personagens durante a história. Não é um convite para entrarmos no filme e sim um afastamento para observarmos os acontecimentos e refletirmos nele.

DE CANÇÃO EM CANÇÃO é um filme carregado de temas, e vamos tentar identificar ao menos quatro desses temas. O 1º tema é AMOR. Malick traz além do triangulo amoroso, uma série de relacionamentos que colocam na mesa o que representa Amor numa relação. Faye ama BV mas não consegue lidar com esse amor, assim como BV que ama Faye mas se perde na relação graças ao 2º tema do filme – ABANDONO. BV vive cada segundo de um relacionamento temendo um possível abandono, algo que acontecera com sua mãe abandonada pelo pai. Esse trauma do abandono o acompanha até a vida adulta, tornado-o alguém que se apega facilmente às pessoas ao seu redor, inclusive Faye por quem se apaixona loucamente e de forma abrupta, o que por sua vez assusta a própria Faye que sofre com o 3º tema do filme – CARÊNCIA. Faye tem uma das frases mais bonitas do filme onde ela diz: “…que precisava se conhecer nas pessoas certas e se aproximar delas”. Faye é carente de atenção, de carinho e não suporta a possibilidade de ficar sozinha. Seu maior medo é a solidão, que faz com que ela se mantenha num caso com Cook mesmo se apaixonando por BV.

Esse triangulo amoroso revela diversos temas profundos

E agora que chegamos ao Cook, falemos do 4º e principal tema do filme – o ABUSO. Cook usa-se de seu poder para abusar de todos a sua volta. BV sofre constantes abusos de Cook que é seu produtor musical, sendo chantageado constantemente, mas por conta do medo do abandono, BV aceita o abuso, assim como Faye que se submete aos abusos de Cook que a destrata e faz com ela o que ele quiser, inclusive numa breve cena porém muito simbólica, Cook amarra um cinto no pescoço de Faye enquanto acaricia-lhe o corpo, num claro gesto de abuso e dominação.

Esses múltiplos temas trazem às obras do Malick uma profundidade que nos tira do lugar comum, o que me deixa espantado ao ver tantas pessoas taxarem essas obras de vazias. Malick consegue numa obra só tratar com profundidade de diversos temas a ainda maravilhar seu público com sua já famosa cinematografia, com sua peculiar lente grande-angular que confere a obra uma assinatura que a diferencia das de outros cineastas. Agora junte-se a isso muita música dos mais diversos gêneros, indo da música eletrônica ao rock com facilidade, inclusive com participações especiais de músicos com a banda Red Hot Chilli Peppers, do cantor Iggy Pop e uma participação bem interessante da cantora e compositora Patti Smith.

Assistir à uma obra de Malick é exercitar nosso existencialismo e questionar valores que nos permeiam. Malick nos faz refletir sobre nossa relação com poder, fama, abuso, amor, medo, abandono e solidão. São questões terrenas pertencentes à todos os seres humanos, e DE CANÇÃO EM CANÇÃO explora muito bem esses questionamentos, e isso só é possível nas mãos de um diretor que consegue como poucos transformar palavras em imagens. Como dito no começo do vídeo, a proposta de Malick não é levar-nos para dentro do filme e sim trazer o filme para dentro de nós para que reflitamos sobre nossa própria existência.

Malick consegue, assim como em seus filmes anteriores, transportar sua filosofia para seu elenco que incorpora sua mensagem e a externa em olhares e gestos, além das belíssimas narrações carregadas de sentimentos. Talvez o que menos entrega emoção seja Ryan Gosling que acaba sendo um personagem interessante, mais pelo seu entorno do que por ele em si. Já Rooney Mara e Natalie Portman dão um show de sensibilidade e potência em papeis que facilmente cairiam no erro da “sofrência” desproporcional.

DE CANÇÃO EM CANÇÃO é a prova de que o talento contemplativo e filosófico de Malick pode abordar vários temas e tomar várias formas, afinal, não importa o que façamos ou como vivamos – a reflexão sempre será necessária. Nossa existência depende disso, pois assim como disse o filósofo francês René Descartes no livro O Discurso do Método de 1637: “Desde que eu duvide, eu penso; porque eu penso, eu existo”.

FICHA TÉCNICA
Direção: Terrence Malick
Roteiro: Terrence Malick
Fotografia: Emmanuel Lubezki
Trilha Sonora: Hanan Townshend
Ano: 2017
País: Estados Unidos
Gênero: Drama
Classificação: 16 anos
Duração: 129 min. / cor
Título Original: Song to Song
Elenco: Michael Fassbender, Ronney Mara, Ryan Gosling, Natalie Portman.

 

3 thoughts on “DE CANÇÃO EM CANÇÃO (Song To Song, 2017) | Crítica

  1. Bem interessante teu texto. Talvez uma análise bem direta: penso muito em metáforas e índices soltos ao longo do filme. Amei muito. Todas as críticas são ultrapassadas pelas incríveis sutilezas da existência.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *